Archive

Posts Tagged ‘Ação’

DISTRITO 9 – 2009 (District 9 / D9)

Drama Humano x Drama Alienígena Sci-Fi de Blomkamp é um dos Acontecimentos Cinematográficos do Ano.

DIST9_TSR_1SHT_3

Gênero: Ficção Científica, Suspense, Drama, Ação

Censura: 16 anos

Duração: 112 min

Direção: Neill Blomkamp

Com: Sharlto Copley, Nathalie Boltt, Vanessa Haywood

Local de Filmagem: Johannesburg, Gauteng, South Africa e Miramar, Wellington, New Zealand

Produção: Peter Jackson e Philippa Boyens

Roteiro: Terri Tatchell e Neill Blomkamp

Fotografia: Trent Opaloch

Distribuidora: Sony Pictures

_

QUEM É QUEM

Wikus Van De Merwe é interpretado por Sharlto Copley – não é ator e sim especialista em efeitos especiais da equipe do diretor Neill Blomkamp;

Sarah Livingstone – Sociologista é interpretada por Nathalie BolttDoomsday (2008)“The Triangle” (2005) e Route 30 (2008);

Tania Van De Merwe é interpretada por Vanessa Haywood – esse é o primeiro trabalho da atriz.

District 9 16

SINOPSE

Há 20 anos atrás uma raça alienígena aporta na África do Sul, na cidade de Johannesburg,  no entanto ao invés de uma infiltração bélica ou a busca por troca de conhecimentos, os alienígenas só queriam um lugar para viver. Instalados no Distrito 9, as nações não chegaram a uma conclusão do que fazer com os novos inquilinos do planeta Terra e passaram o controle dos refugiados para uma empresa privada chamada Multi-National United – MNU, que por sua vez está mais interessada em roubar os segredos bélicos dos extraterrestres do que na sua própria segurança.

Em meio a toda esta tensão Wikus Van De Merwe, um operativo MNU, acaba acidentalmente exposto a um fluído alienígena que começa a mudar seu DNA, tornando-o possivelmente a chave pelo controle tecnológico alienígena. Wikus passa a ser a pessoa mais procurada do planeta e só há um lugar onde ele pode se esconder – o DISTRITO 9.

district9-image3

CRÍTICA

crítica inspirada no texto de daddy

A ficção-científica “Distrito 9“, elogiada pela crítica e produzida por Peter Jackson – o mesmo produtor do tão esperado The Hobbit (2011) e The Hobbit 2 (2012), do remake King Kong (2005), da trilogia que marcou o mundo, The Lord of the Rings: The Fellowship of the Ring (2001), The Lord of the Rings: The Two Towers (2002) e The Lord of the Rings: The Return of the King (2003), liderou as bilheterias dos Estados Unidos na sua estréia, de acordo com o Box Office Mojo. As estimativas são de que o filme sobre uma raça alienígena refugiada em território da África do Sul tenha arrecadado US$ 37 milhões, automaticamente cobrindo seu curto orçamento de US$ 30 milhões.

Equilíbrio perfeito entre os gêneros sci-fi e drama, “Distrito 9” é uma das melhores ficções já feitas e um dos acontecimentos cinematográficos do ano. A história é perfeita e os efeitos especiais são surpreendentes, a ponto de nos envolvermos emocionalmente com a causa dos alienígenas, além de torcer muito pelos “camarões” – assim chamados pelos humanos, pois os alienígenas são muito parecidos com um camarão – O personagem Christopher Johnson é um alienígena esperto e que está disposto a tudo para voltar para casa com seu filho. O drama desse ser estranho e de aparência horrenda nos envolve profundamente, mesmo sabendo que não passam de efeitos especiais, daí a prova de um roteiro eficiente, além de extremamente bem executado, sob direção impecável e fantástica de Neill Blomkamp.

District 9

Os efeitos especiais são impressionantes, na verdade você nem fica reparando na qualidade dos efeitos, já que está mergulhado no drama psico-virtual, humanos de um lado e efeitos especiais do outro e sim os efeitos tem drama de consciência, mas é imperceptível a linha imaginária entre o personagem e a digitalização do mesmo.

O longa metragem marca a transição do “alienígena agressor” ao “alienígena vítima”. Supera-se a fase onde nós, seres humanos somos perseguidos por aliens super monstruosos, horripilantes e sem escrúpulos. Em “Distrito 9” nós somos tão monstros quanto eles, não que eles sejam evoluídos ao ponto de nos sentirmos mal, mas somos tão monstros quantos eles a ponto de nos sentirmos piores do que eles, verdadeiros animais.

alg_district_9

Vai se encantar com Wikus, um assistente social ingênuo e ao mesmo tempo egoísta, um tanto generoso e outro tanto maldoso, um personagem cuja essência e valores se misturam entre o bem e o mal. Wikus acaba se expondo a uma substância alienígena, sofrendo mutação e passando a ser perseguido pela própria Multi-National United – MNU e uma gangue de nigerianos que acredita que ao comerem partes do corpo de um alienígena, ganham poderes e força.

O personagem WIKUS é uma verdadeira contradição, em momento algum ele demonstra piedade para com os alienígenas, nem mesmo poupa os ovos que estão em uma espécie de chocadeira. Mas ao perceber que sua vida depende de um alienígena, muda sua postura e descobre que eles são sensíveis e mais espertos do que ele imaginava.

District 9

Apesar de ficção e de ótimo entretenimento, D9 é um dos vários filmes que deturpam a imagem dos países de terceiro mundo. D9 pode ter sido uma grande alegoria sobre o Apartheid, mas existem alguns africanos que perderam a floresta para as árvores e agora estão putos com o papel que os nigerianos desempenharam no filme.

“Eu estava tão furiosa”, disse Umeano, uma nigeriana que vive em Atlanta. “Eles estavam mostrando nigerianos como corruptos, que comem alienígenas e que fazem sexo com alienígenas. Eu não podia ver isso”.

district-9-warning

“Por que querem reduzir nigerianos à criminosos, canibais e prostitutas que dormem com animais extra-terrestres”? – Disse Dora Akunyili, ministro da Informação. “Nós tivemos o suficiente com os estereótipos aos quais somos marcados – Nós não vamos ficar sentados e permitir que as pessoas nos estigmatizem dessa forma”. Contudo, sim, os nigerianos foram retratados como extraordinariamente cruéis e sádicos no filme, aliás TODOS OS SERES HUMANOS foram retratados como cruéis e sádicos no filme.

Claro, os nigerianos estavam comendo, transando e traficando os alienígenas, mas a “Coalizão Internacional das Pessoas Brancas” de qualquer grupo de ajuda internacional que seja e como chamada, estavam  literalmente sequestrando alienígenas e os estripando em laboratórios para tentar entender como suas armas funcionam. Eles são colocadas nos campos e rotineiramente são executados se ultrapassarem a linha. E, a propósito, podemos lembrar que estamos falando de selvageria com ALIENS IMAGINÁRIOS aqui? Dito isto, gostaria de SABER que gosto teriam os tais “camarões”!

district-9-08

Peter Jackson, o mesmo de Senhor dos Anéis, gastou apenas 30 milhões e em 2 dias o pagou. Está faturando uma fortuna pelo mundo. É um pseudo documentário, “Distrito 9” usa câmeras de mão, imagens semelhantes às de câmeras de segurança e simulacros de noticiários, tudo isso misturado com ação sangrenta e muito tiroteio. Arrisque e assista, vale a pena!

bom filme!

roberta vieira

http://www.d-9.com/

http://www.district9movie.com/

district_nine_06

ASSISTA AO TRAILER ABAIXO!

“Melhor concebida e executada do que se esperava, essa ficção tão fascinante mantém as impressões digitais repletas de sangue de Jackson, e anuncia Blomkamp como um talento a ser olhado”. (Variety)

“Ficção-científica genuína, te apanha imediatamente e não te solta até o último plano. A direção de Blomkamp é do mais alto nível, inteligente e com descaramento”. (Hollywood Reporter)

The Code / Thick As Thieves – 2009 (Jogos Entre Ladrões)

Morgan Freeman E Antonio Banderas Arriscam Em Tema Já Batido…

code_ver2 Direção: Mimi Leder
Com: Morgan Freeman, Antonio Banderas, Robert Forster, Radha Mitchell, Rade Serbedzija.
Local de Filmagem:
Brighton 4th Street, Brooklyn, New York City, New York, USA; Brighton 6th Street, Brooklyn, New York City, New York, USA; Brighton Beach, Brooklyn, New York City, New York, USA; Court Pallace, Sofia, Bulgaria; New Boyana Film Studios, Sofia, Bulgaria – (studio); New York City, New York, USA e University of National and World Economy, Sofia, Bulgaria.
Produção: Randall Emmett, Avi Lerner, Danny Lerner, Johnny Martin, Lori McCreary, Les Weldon
Roteiro: Ted Humphrey
Fotografia: Julio Macat
Distribuidora: Imagem Filmes

SINOPSE

Jack Monahan é interpretado por Antonio Banderas [My Mom’s New Boyfriend (2008), The Mask of Zorro (1998) e Shrek Goes Fourth (2010)], um criminoso que não está em seu melhor dia. Sua sorte muda quando cruza com Ripley, interpretado por Morgan Freeman [The Dark Knight (2008), Wanted (2008) e Feast of Love (2007)], um experiente ladrão que o convida a participar de um grande e arriscado golpe: o roubo de uma das mais valiosas jóias do mundo, que está guardada a sete chaves em uma joalheria russa. Para quitar uma dívida com a máfia, Ripley (Freeman) deverá fazer um trabalho limpo e perfeito. Mas nem tudo acontece como deveria e nem todos são o que parecem, nesta trama surpreendente.

the code 03

CRÍTICA

Apesar de ter tido uma estréia discreta nos EUA, “The Code” ou “Thick as Thieves” – aqui “titulado” como “Jogos Entre Ladrões” surpreende pelo suspense com um toque romântico e uma bela pitada de humor, marca registrada de Banderas. Sem sombra de dúvidas vale a pena sim assistir nos cinemas e mesmo tendo estréias mais interessantes, ainda assim o filme é bom, mas lembrem, nada de novo, apenas uma diversão garantida, já que o tema é mais do que batido.

bom filme!

roberta vieira

the code 02

Assista ao trailer abaixo.

The Code – 2009 (Jogos Entre Ladrões)

Doomsday – 2008 (Juízo Final)

Doomsday vs Max Payne: Qual é o Pior?

U_1Sheet Direção: Neil Marshall
Com: Caryn Peterson, Adeola Ariyo, Emma Cleasby, Rhona Mitra.                                          Local de Filmagem: Blackness Castle, Blackness, Falkirk, cotland, UK; Cape Town City Hall, Cape Town, South Africa; Cape Town, South Africa; Doune, Stirling, Scotland, UK; Glasgow, Strathclyde, Scotland, UK; Haghill, Glasgow, Strathclyde, Scotland, UK; Loch Katrine, Stirling, Scotland, UK; Pall Mall, St. James’s, London, England, UK; Ratanga Junction Theme Park, Cape Town, South Africa; Shepperton Studios, Shepperton, Surrey, England, UK(studio); St. Paul’s Cathedral, Ludgate Hill, London, England, UK; Tower Bridge, London, England, UK.               Produção: Rogue Pictures; Intrepid Pictures
Roteiro: Neil Marshall
Distribuidora: Rogue Pictures

Apesar de serem gêneros diferentes, “Doomsday” é melhor que “Max Payne”, é tudo tão absurdo que “Doomsday” acaba sendo mais interessante do ponto de vista diversão, ação, suspense, fotografia e execução. Quando o filme acaba, pelo menos dá uma sensação de divertimento adquirido, diferente de “Max Payne” que quando acaba a sensação é de distração (perda de tempo) e não de diversão (passa tempo)…

Então quando você for a uma sala de cinema e ao chegar na porta você pensa: Ferrou! Está tudo lotado… Ah… Mesmo assim você queria curtir um cineminha, bom então se esse filme estiver em cartaz, assista, mas somente se for sua única opção. O longa é do tipo ação meia boca, daqueles filmes que você quer saber o desfecho (já que começou a assistir) mesmo sendo uma “pequena bomba”.

doomsday_ver1

Na verdade o título do filme atrai bastante, os atores são bons e a fotografia valoriza o longa em geral. Como eu disse antes, prefiro esse (doomsday) do que “Max Payne” que me irritou o filme todo. Engraçado que “Doomsday” é uma mistura clara de “Mad Max Beyond Thunderdome (1985)” e “Resident Evil: Apocalypse (2004)”, só que ao invés de termos Milla Jovovich (“Chatavich” –  que apesar de sua beleza estonteante, ela é péssima atriz, todos os filmes em que ela participa, suas falas são mínimas, assim como suas roupas), temos Rhona Mitra que é muito mais bonita, e atua muito melhor (também não é uma ótima atriz, mas vai chegar lá com o tempo), pelo menos ela tenta.

Bom, esse filme entrará em cartaz ainda esse ano, na verdade já deveria ter estreado em Novembro, mas já tem anúncio desse longa metragem em uma rede de cinemas, então é só ficar de olho, no entanto sua estréia nos EUA fora em Março de 2008.

doomsday_ver2

O personagem principal é da atriz  Rhona Mitra [Underworld: Rise of the Lycans (2009), The Number 23 (2007) e Shooter (2007)], Alice, que é uma agente do governo que tem como missão entrar na zona de contenção (local contaminado com um virus mortal, onde todo mundo fora deixado para morrer nos últimos 30 anos) e procurar a cura para o vírus que aparentemente conseguiu ultrapassar a tal zona de contenção.

doomsday_ver3

Obviamente ela é uma “garota rambo” e os rapazes vão adorá-la, pois realmente ela é muito bonita, além de estar em plena forma.

O filme tem uma ação eletrizante, com violência declarada, provavelmente a versão “Unrated” que tem em torrent não será a que estará em cartaz nos cinemas, como eu disse antes, é no mínimo divertido!

doomsday_ver5

No site oficial o visitante poderá se divertir com um jogo de tiro em 3D chamado “Doomsday – Marauder Massacre Game”, em que se deve utilizar o mouse para aniquilar o maior número de zumbis possíveis.

bom filme!

roberta vieira

http://www.doomsdayiscoming.com/

doomsday_ver6

Confira o trailer abaixo

Doomsday – 2008 (Juízo Final)

Max Payne – 2008

Mais Um Fiasco de Wahlberg…

Layout 1 (Page 1) Direção: John Moore
Com: Mark Wahlberg, Mila Kunis, Beau Bridges, Ludacris, Donal Logue, Chris O’Donnell, Nelly Furtado.
Local de Filmagem: Bay Station – 64 Bloor Street West, Toronto, Ontario, Canada (subway); Hamilton, Ontario, Canada; Loblaws Warehouse, Toronto, Ontario, Canada; Toronto Film Studios, Toronto, Ontario, Canada (studio); Toronto, Ontario, Canada; Union Station, Toronto, Ontario, Canada e Yorkville, Toronto, Ontario, Canada.
Produção: Scott Faye, Julie Yorn
Roteiro: Shawn Ryan, Sam Lake, Beau Thorne
Fotografia: Jonathan Sela
Trilha Sonora : Marco Beltrami
Distribuidora: Fox Film
Estúdio: Abandon Entertainment/ Collision Entertainment/ Dune Entertainment/ Firm Films

Do mesmo diretor de “Flight of the Phoenix (2004)” ou “O Voo da Phoenix“, John Moore e a 20th Century Fox são os responsáveis por levar a história do gameMax Payne” para os cinemas. O jogo, lançado para PC em 2001, vendeu mais de 5 milhões de cópias nos EUA e em 2003 fora lançado a continuação para PC e consoles.

O game foi o primeiro a reproduzir o efeito “bullet time” criado por “Matrix”, o que deve promover a repetição do seu uso nos cinemas depois da trilogia dos irmãos Wachowski.

MAX PAYNE conta a história de um policial que decide agir por conta própria, decidido a encontrar os responsáveis pelo brutal assassinato de sua família. Obcecado por vingança, sua investigação o conduz por uma jornada alucinante, em um submundo sombrio. À medida que se aprofunda no mistério, Max interpretado por Mark Wahlberg [The Brazilian Job (2011), The Happening (2008) e  We Own the Night (2007)], se vê forçado a combater inimigos sobrenaturais e a enfrentar uma traição inimaginável.

Payne persegue seu maior inimigo ao lado de seus inimigos, que são inimigos de seu maior inimigo, confuso? Simples, Payne se junta à chefona da máfia Russa, Mona Sax, interpretada por Mila Kunis [Forgetting Sarah Marshall (2008), “That ’70s Show” como Jackie Burkhart e After Sex (2007)], juntos eles vão vingar a morte da família de Payne e da irmã de Mona, Natasha Sax, interpretada por Olga Kurylenko [Quantum of Solace (2008), Hitman (2007) e Paris, je t’aime (2006)].

max_payne_ver1

Max Payne vai agradar os fãs (jovens) do game, mas nem tanto os fãs do astro Mark Wahlberg que mais uma vez deixou a desejar bastante. O problema é a escolha do papel e do filme, como por exemplo em “Fim dos Tempos” [The Happening] em que além de seu personagem ser absurdamente ridículo, o filme é uma verdadeira bomba.

Ao contrário disso, Mas Payne não é de todo ruim, é um suspense standard, com muita ação e um enredo mal executado, com um ar noir e com um “Q” de ficção, que no final das contas é creditado às drogas – ponto mal explorado no filme.

max_payne_ver3

Max ou Mark tem pouquíssimas falas no filme, assim  como em “Fim dos Tempos” (The Happening), Mark só abre a boca para falar bobagens e de resto é só pancadaria, tiroteios, perseguições, alucinações e muito, muito mal humor por parte do personagem. Continuamos fãs de Mark e continuamos a acreditar que o próximo longa vai ser melhor, afinal ele já fez bons trabalhos antes.

max_payne_ver5

Vale comentar que a história foi mal explorada, particularmente eu não conheço o game, nunca joguei, mas existem outros filmes que foram baseados em games, como por exemplo os dois filmes de “Lara Croft: Tomb Raider (2001)” e “Lara Croft Tomb Raider: The Cradle of Life (2003)”, que são excelentes, básicos mas muito bem executados, ao contrário desse que tinha tudo para ser algo bem melhor do que realmente é. Confira nas salas de cinemas, é no máximo uma distração.

bom filme!

roberta vieira

http://www.maxpaynethemovie.com/

http://www.maxpaynefilme.com.br/

max_payne_ver2

Confira o trailer abaixo

Max Payne – 2008

 

Max Payne Kung Fu 3.0 – GAME

Body of Lies – 2008 (Rede de Mentiras)

DiCaprio e Crowe, Deu Muito Certo!

body_of_lies Direção: Ridley Scott
Com: Leonardo DiCaprio, Russell Crowe, Mark Strong, Vince Colosimo, Carice van Houten, Ali Suliman, Ben Youcef, Michael Gaston, Oscar Isaac, Omar Berdouni, Jennifer Rouse, Alexander von Roon, Clara Khoury.
Local de Filmagem:  Annapolis, Maryland, USA; Baltimore, Maryland, USA; Gaithersburg, Maryland, USA; Ouarzazate, Morocco; Rabat, Morocco; Washington Dulles International Airport – 45020 Aviation Drive, Sterling, Virginia, USA; Washington, District of Columbia, USA e White House – 1600 Pennsylvania Avenue NW, Washington, District of Columbia, USA.
Produção: Donald De Line, Ridley Scott
Roteiro: William Monahan, baseado em livro de David Ignatius
Fotografia: Alexander Witt
Trilha Sonora: Marc Streitenfeld
Distribuidora: Warner Bros.
Estúdio: De Line Pictures/ Scott Free Productions

Em cartaz nos cinemas de todo Brasil, “Body of Lies” – “Rede de Mentiras” é uma excelente pedida entre as estréias desse final de 2008.

Para os freqüentadores assíduos das salas de cinemas, esse longa metragem é um prato cheio, Leonardo DiCaprio e  Russell Crowe sob direção de Ridley Scott, tá bom ou quer mais?

Roger Ferris, interpretado por  Leonardo DiCaprio  [Revolutionary Road (2008), Blood Diamond (2006) e Catch Me If You Can (2002)] (Leonardo DiCaprio), é um ex-jornalista que passa a trabalhar como agente da CIA. Ferris é enviado à Jordânia por Ed Hoffman, interpretado por Russell Crowe [American Gangster (2007), 3:10 to Yuma (2007) e A Good Year (2006)], um ambicioso chefe da agência de espionagem, para ajudar na captura de um líder do grupo terrorista Al Qaeda. Ferris se vê encrencado quando passa a plantar um falso rumor de que o terrorista está recebendo apoio dos norte-americanos.

Body of Lies 05

Curiosidades – O Irã proibiu uma famosa atriz de deixar o país depois que ela participou do filme sem a permissão das autoridades iranianas, informou a agência oficial de notícias dos país, a Irna. A proibição foi imposta depois que a atriz Golshifteh Farahani, de 25 anos, participou do filme “Rede de Mentiras“. Farahani é a primeira atriz iraniana a participar de um filme de Hollywood. A Irna disse que atores e atrizes iranianos precisam obter uma permissão do Ministério da Cultura antes de aparecer em filmes estrangeiros.

Body of Lies 04

Durante as cenas ambientadas em Munique (na verdade filmadas nos Estados Unidos), o tráfego de veículos foi interrompido. Sinais de trânsito em inglês foram substituídos por outros escritos em alemão. A população local, antes acostumada a ver placas com os dizeres “Central Avenue” ou “Washington Street”, passaram a conviver com outras trazendo “CharlottenStraBe”.

Body of Lies 01

O filme é muito bom, não deixa nada a desejar e é extremamente envolvente, ou seja, quando a trama é exposta para nós, passamos a viver todo o drama com o personagem do DiCaprio, o enredo é intenso, muito bem executado e a direção é excelente, afinal estamos falando de Ridley Scott que dirigiu “A Good Year (2006)” e “American Gangster (2007)”, ambos  estrelado por Russell Crowe – é uma relação de ator/diretor que dá muito certo!

Body of Lies 02

Sugestão, assistam nos cinemas, é imperdível, mas não esqueçam que é um gênero de filme bastante comum, terrorismo, locais áridos, religião, política e USA… Portanto não esperem originalidade, mas sim uma boa história com uma excelente direção.

bom filme!

roberta vieira

http://bodyoflies.warnerbros.com/index.html

Body of Lies 03

Confira o trailer abaixo

Body of Lies – 2008 (Rede de Mentiras)

Death Race – 2008 (Corrida Mortal)

death_race_02 Com estréia prevista para o dia 24 de Outubro de 2008, o longa metragem Death Race, “Corrida Mortal” estará nas telonas de todo território nacional para decepcionar os fãs.

O filme já teve sua estréia no dia 22 de Agosto de 2008 nos USA e Tailândia. Tem um elenco considerável, mas mesmo assim é um longa de tremendo mal gosto. Com certeza absoluta, quem for assistir vai se retirar do cinema, nos primeiros 19 minutos do filme. Por que não nos primeiros 20 minutos, porque haverá fila das pessoas que estão saindo das salas em que este filme, “Death Race” e o longa “Be Kind Rewind” estiverem sendo projetados.

DEATH race 2000

Para começar esse longa metragem é uma refilmagem do cult Death Race 2000, de 1975, estrelado por David Carradine [Kill Bill: Vol. 1 (2003) e Kill Bill: Vol. 2 (2004)]. Neste remake, Jason Statham [The Bank Job (2008), Cellular (2004) e War (2007)] vive Jensen Ames, um homem brusco, que tem uma renda mensal que mal dá para sua família comer. Um belo dia sua casa é invadida por homens mascarados e sua mulher acaba morta, mas por uma obra do destino ele é preso e acusado de matá-la e violentar sua filha pequenina.

death race 2008 01

death race joan allen 2008

Hennessey, interpretada por Joan Allen [The Bourne Ultimatum (2007), Bonneville (2006) e Pleasantville (1998)] é diretora de uma prisão de segurança máxima e a cabeça por de traz de um negócio milionário, ela obriga seus prisioneiros a competir no esporte mais sangrento e mais popular do mundo pós-industrial: é uma corrida de carros em que prisioneiros devem brutalizar e matar uns aos outros para alcançarem a vitória e ganharem liberdade.

tatoo death race 2008

Extras: Presente no festival Comic-Con, o produtor e cineasta Roger Corman (“O Corvo”), responsável por produzir “Death Race 2000”, de 1975, elogiou o longa baseado em seu projeto original. Corman disse que o novo “Death Race” é melhor do que o filme que ele produziu há mais de três décadas. Paul W.S. Anderson [Resident Evil: Extinction (2007), AVP: Alien vs. Predator (2004) e DOA: Dead or Alive (2006)], diretor da nova versão do filme, comentou o roteiro. “A trama que contamos no filme acontece antes dos eventos mostrados no outro filme”, explica. A idéia de Anderson é mostrar a história do surgimento do esporte automobilístico mortífero e violento, contando como tal atividade passou de crime à esporte legalizado.

O diretor adiantou que existe a possibilidade de se produzir uma continuação para o longa. No elenco ainda estão os atores Ian McShane [The Seeker: The Dark Is Rising (2007) e Scoop (2006)], Jacob Vargas [The Hills Have Eyes II (2007) e Bobby (2006)], e Natalie Martinez [“Saints & Sinners” como Pilar Martin].

Bom eu, particularmente vou rezar para que não haja uma continuação. O filme inteiro é ridículo, até mesmo a corrida é mal feita, a história é absurda e em fim tirando Joan Allen, o resto do elenco só mata e dirige carros ou logicamente morrem. Não tem suspense, você já sabe o que vai acontecer e tudo isso junto resultou em um longa metragem de terceira linha, deveria ter sido lançado direto em DVD.

Confira o trailer ao lado.

bom filme! boa sorte!

roberta vieira

http://www.deathracemovie.net/

death race 2008 02

D-WAR – Dragon Wars – 2007 (Guerra de Dragões)

D-War-2007

Depois que eu assisti o filme me deparei com uma dúvida cruel e ao mesmo tempo ridícula, gostei ou não gostei, realmente fiquei meio pensativa, aí fui pesquisar na WEB algumas críticas e só achei comentários de pessoas que realmente assistiram ao filme, já os “grandes” sites, que se intitulam os maiores em conteúdo da NET e coisas do gênero não tinham nada a respeito de D-WARS. E os que tinham só trazem textos copiados dos gringos com pareceres sobre a produção. Mas eu queria mesmo é saber quem assistiu e o que achou…

“…Foi aí que eu me deparei com algo assim: “Um dos filmes mais mal feitos que eu já vi. Pra um filme produzido em 2007, tem uma qualidade gráfica baixíssima. Os atores são péssimos, os cortes são grotescos, e a linha lógica da estória é sem sentido.  Pode ser que a idéia original do filme tenha sido excelente (bem, eu gostei da idéia da lenda dos dragões), mas a execução foi péssima…”

“…Aluguei este filme Sábado. Achei ele muito legal, tente procurar nas locadoras perto da sua casa que você vai achar. Boa Diversão…”

“…D-War, novo e milionário filme de monstro coreano, que estreou sexta-feira nos EUA sob o título Dragon Wars…”

Então, depois de ler críticas por aí na NET, me deparei com esse texto e para fechar com chave de ouro o tal texto publicado do site Cinema com Rapadura (“O Maior Portal de Cinema do Brasil”):

“…O filme coreano “D-War”, do diretor Shim Hyung Rae, ganhou sete clipes para o deleite dos fãs de filmes de “monstros destruidores de cidades grandes”. A milionária produção, que estreou na última sexta-feira nos EUA com o título de “Dragon Wars”, está sendo comentada como a marca dos efeitos de computação gráfica deste ano. Além disso, o filme bateu recordes como o longa coreano com o maior número de cópias em lançamento no terreno de Bush (cerca de 1.500). Confira os clipes aqui!…”

Fala sério rapadura, vocês não tem a “ficha técnica” (é o nome dado pelo site, para um conjunto de informações relativas a um filme) desse filme e de inúmeros outros que estão em cartaz nos cinemas!!!

O filme é sim uma verdadeira bomba e para piorar os efeitos especiais são de lascar, como vocês (rapaduras) podem escrever algo do gênero, que esse filme marcou 2007 no quesito efeitos de computação gráfica, pelo amor de Deus! É vergonhoso um site do tamanho do de vocês deixarem uma informação dessas ser publicada, sem ao menos ser validada sob o ponto de vista de quem já assistiu.

dragão bobão

Do momento em que vi o pôster do filme na NET, fiquei interessada em assisti-lo. Não cheguei a ver o trailer (devia tê-lo feito) mas as imagens de Dragões em pleno combate em plena luz do dia em LA, achei que seria um filmaço. Ledo engano! É um filme que você começa a assistir, assistir e não tem volta, tudo se perde no enredo do filme. No entanto, a história tinha tudo para ser fantástica. Não se deixe enganar pelas imagens…

A história roda em volta de uma antiga lenda coreana, leia abaixo:

“…a cada 500 anos, uma jovem mulher nasce com o poder espiritual de transformar uma serpente no mais poderoso dragão do mundo. Uma serpente boa, usará seu imenso poder para proteger o universo e uma serpente má, usará seu imenso poder para destruir o mundo…”

“…imoogi, é uma criatura de uma lenda coreana, que se transforma em dois dragões, ou seja, antes de se transformarem em Dragões, eram grandes serpentes, chamadas Imoogis que viviam nos céus com seus lendários criadores. A cada 500 anos, um Imoogi é recompensada por suas boas ações, e tem a chance de se tornar um dragão celestial. Para se tornar um dragão celestial, ele precisará receber do céu um presente de Yuh Yi Joo. É a força, o poder de Yuh Yi Joo que permite que um Imoogi se transforme num dragão…”

“…uma das serpentes é do mal, Buraki, ela tentará se apoderar de Yuh Yi Joo, a mando dos que desejam possuir esse poder. Mas isso, os céus não poderiam permitir. Então Yuh Yi Joo foi escondida e tudo que os céus poderiam fazer, era enviar seus melhores guerreiros para protege-la. Haram e o chefe Bochun foram os guerreiros enviados para proteger Yuh Yi Joo de qualquer maneira, da maldosa Buraki. Infelizmente, a maldosa Buraki sabia como encontrar o Yuh Yi Joo…”

“… então uma menina nasceu, com o Yuh Yi Joo, porque era a intenção do céu para a Imoogi do bem. A criança carrega a marca de um Dragão Vermelho. Ele estaria totalmente formado quando a garota completasse 20 anos. Assim, quem possuísse Imoogi teria o poder de transformar o dragão…”

“…a Imoogi negra, o diabólico Buraki desafiou o desejo do céu e exige para si própria, o que legalmente pertence a nossa Imoogi do bem e se a Imoogi negra se apoderar de Yuh Yi Joo, um desastre inimaginável recairá sobre o mundo…”

“…aos 20 anos, a menina se tornou uma linda mulher e um guerreiro celestial foi designado para protegê-la. Um dia, para surpresa de todos,  Haram, o guerreiro se apaixonaria por Narin a mulher com o Yuh Yi Joo…”

“…esta é a Imoogi que foi a escolhida pelo céu e ela tem que se unir a Yuh Yi Joo e subir aos céus. É a única maneira dos, humanos, permanecerem no ciclo da Terra. O Yuh Yi Joo se formará dentro do corpo de Narin quando ela completar 20 anos. Haram deverá carregar um pingente que foi fabricado pelos céus especialmente para o guardião da Imoogi do Bem…”

“…então, chegou o dia do malvado Buraki mandar que todos os seus seguidores, atacassem o vilarejo, na busca da garota que possuía o Yuh Yi Joo. Naquele dia infeliz, Haram desafiou as ordens dos céus e fugiu com Narin…”

“…nervoso e desesperado, o próprio Buraki começou a persegui-los. No fim, eles se mataram como dois apaixonados, e Buraki, teve negado o poder de transformar o poderoso dragão. Mas ele voltará de hoje a 500 anos e vai procurar a menina que nascer com o dragão tatuado no ombro e que aos 20 anos de idade terá o o poder espiritual de transformar uma serpente no mais poderoso dragão do mundo. Uma serpente boa, usará seu imenso poder para proteger o universo e uma serpente má, usará seu imenso poder para destruir o mundo…”

O filme tem todos esses elementos, dragões, poderes, tatuagem de dragão, espada de fogo no maior estilo Power Ranger e muitos outros fatores que nem se encaixam e se perdem no meio de atuações fraquíssimas, que o diretor oriental não conseguiu dominar em sua própria história. Personagens perdidos em meio a monstros gigantes, que se arrastam e voam no meio da cidade abatendo helicópteros numa das cenas mais mal feitas que já vi, a fumaça de fogo é muito primitiva, com certeza há filmes com efeitos especiais muito melhores e que foram feitos antes de 2007!

dwar25

Dragões feitos em computação gráfica que são visivelmente animações dentro de um filme de quinta categoria, afinal se o filme tivesse bons atores com uma boa direção, não estaria tudo perdido. Vejam o filme Jurassic Park, é um longa com  répteis gigantes que realmente passam a sensação de serem reais em todo o contexto, bom estamos falando de Spielberg…

dwar

Por fim, todas as sinopses estão erradas, na maioria dos sites de conteúdo sobre filmes. De fato o repórter Ethan Kendrick, interpretado por Jason Behr [The Tattooist (2007)] é chamado para investigar, mas não esses misteriosos seres, e sim o ocorrido em uma construção que amanheceu cheia de marcas e destruição. Kendrick é  o guerreiro destinado a proteger a garota, interpretada por Amanda Brooks [Silver (2008)] que carrega o Yuh Yi Joo . Ao ver algo nos destroços na construção, ele recorda de uma história que lhe foi contada quando ele tinha 10 anos de idade e imediatamente ele começa a procurar uma garota com marca de dragão, a suposta mulher que ele deverá proteger.

Olhem nem vale a pena tentar escrever uma sinopse adequada, os personagens são mal elaborados, assim como a história toda. É uma pena.

Confiram o trailer ao lado.

boa sorte!

roberta vieira

http://www.sonypictures.com/homevideo/dragonwars/

2007_dragon_jpg